De olho em 2018, Lula e Doria intensificam agenda no Nordeste

No mesmo período em que o ex-presidente Lula inicia uma caravana pelo Nordeste buscando viabilidade eleitoral para a campanha do ano que vem, o prefeito de São Paulo, o tucano João Doria, divide as atenções com o petista a partir da intensificação da agenda na região no mês de agosto.

Andando pelas principais cidades nordestinas onde o PT tem preferência por grande parte do eleitorado, o prefeito chegou a ser hostilizado e recebido com protesto nas cidades de Salvador e Natal, respectivamente.

O deputado de Pernambuco, Guilherme Coelho (PSDB), por onde o presidenciável tucano deve passar ainda em agosto, minimizou ao O POVO a rejeição e disse que “todo mundo é livre para viajar e conhecer o País”. Segundo ele, as viagens de Doria pelo Nordeste fortalecem o partido que tem pouco apelo eleitoral na região.

Já o deputado Assis Carvalho (PT-PI) diz que Lula “tem muito mais história no Nordeste” e que as pesquisas mostram a “consolidação” da imagem do ex-presidente na região do País.

A caravana de Lula, que começa hoje na Bahia, e passa pelo Ceará nos dias 29 e 30 deste mês, é a repetição da agenda eleitoral que o petista fez antes de ser presidente. Ameaçado de ter a candidatura negada por questões judiciais – ele já foi condenado em primeira instância no caso do triplex do Guarujá -, Lula já discursa como candidato e tem comprado embates com Doria em diversas ocasiões.

A viabilidade

O especialista político, professor Francisco Moreira Ribeiro, da Universidade de Fortaleza, vê a região aberta principalmente em relação à classe média que está órfã de representantes.

“Doria ganha muito em função de uma situação que estamos vivenciando, uma classe média que busca uma representação. Esse campo que está em aberto ele ocuparia. Não sei se o Nordeste daria a ele uma votação significativa. É um campo em disputa importante”, argumenta o pesquisador.

Ribeiro, no entanto, vê que a região ainda é mais propícia ao PT pelas ações sociais dos governos Lula e Dilma que ainda permanecem na memória do eleitorado.

A professora Mirtes Amorim, da Universidade Federal do Ceará, não crê que as andanças de Doria consiga despertar uma aproximação do eleitorado do Nordeste com o partido derrotado nas últimas quatro eleições.

“Eu acho que não fortalece o partido porque a população nordestina não está ligada a partidos políticos, são muito mais tocados por pessoas, por personalidades. Doria surgiu hoje na política”, conclui a pesquisadora.

Ambos os estudiosos enxergam um cenário mais viável ao PT pelo histórico eleitoral, mesmo com o desgaste político envolvendo as denúncias da Operação Lava Jato.

Curta e compartilhe:
1k

Jonas Deison

Somos um portal de notícias focado na cidade de Sobral, Ceará. Prezamos sempre pela notícia verdadeira e sem conteúdo apelativo. Contato: (88) 99222-3363 | (88) 99632-4226 Administrador: Jonas Deison

Deixe uma resposta