Não queremos ‘outra Venezuela mais ao sul do nosso continente’, diz Bolsonaro sobre Argentina

O presidente Jair Bolsonaro voltou a demonstrar preocupação nesta sexta-feira (3) com a possibilidade de Cristina Kirchner voltar à Presidência da Argentina nas eleições de outubro do país vizinho.

Ao discursar na formatura de novos diplomatas do Itamaraty, Bolsonaro afirmou que “o mundo todo não quer” outra Venezuela “mais ao sul do nosso continente”, referindo-se à disputa eleitoral na Argentina.

Viúva do ex-presidente argentino Nestor Kirchner, a senadora Cristina Kirchner comandou a Argentina entre 2007 e 2015. Possível candidata à presidência argentina, ela tem liderado pesquisas eleitorais.

Nos levantamentos eleitorais, ela tem aparecido à frente do atual presidente argentino Mauricio Macri, que perdeu popularidade em razão do agravamento da crise econômica.

Empresário, Macri foi eleito presidente em 2015, derrotando o candidato apoiado por Cristina e colocando fim a 12 anos de kirchnerismo.

“Aproveito o momento, o momento ímpar por ser ouvido pela nossa querida, estimada e necessária imprensa, que, além da Venezuela, a preocupação de todos nós deve voltar-se um pouco mais ao sul agora, para a Argentina, por quem poderá voltar a comandar aquele país. Não queremos, acho que o mundo todo não quer, uma outra Venezuela mais ao sul do nosso continente”, discursou Bolsonaro nesta sexta na solenidade de formatura do Itamaraty.

Ao final da solenidade de formatura dos novos diplomatas, Bolsonaro concedeu uma entrevista a jornalistas na qual reforçou sua preocupação com o processo eleitoral argentino.

Questionado por repórteres sobre o que o governo brasileiro poderá fazer, Bolsonaro falou que a atuação fica no “limite do Itamaraty”.

“Minha maior preocupação é com a Argentina hoje em dia”, afirmou Bolsonaro.

É o segundo dia consecutivo que o presidente se diz preocupado com o possível retorno de Cristina Kirchner à Casa Rosada.

Na véspera, em uma transmissão ao vivo em uma rede social, ele disse que pede a Deus para que ela não vença as eleições em outubro.

Na mesma transmissão pela internet, ele havia pedido “paciência” aos argentinos diante do desempenho insatisfatório de Macri na área econômica.

Venezuela

Na entrevista que deu no encerramento da solenidade, Bolsonaro também foi indagado sobre se avalia enviar à Venezuela uma comissão para negociar com presidente Nicolás Maduro. Ao responder, ele disse que não há o que conversar com o presidente venezuelano.

“Acho que não tem o que conversar com ele [Maduro]. O que nós queremos, no meu entender, ele não vai ceder”, enfatizou.

Bolsonaro ainda afirmou que espera ver o que classificou de “fissura” nas Forças Armadas venezuelanas alcançar o alto escalão.

“A gente espera que essa fissura que está na base do Exército vá para cima. Não tem outra maneira, se você não enfraquecer o Exército da Venezuela, o Maduro não cai”, declarou o presidente brasileiro.

Diplomatas

Bolsonaro abriu o discurso que fez na formatura dizendo que, quando os diplomatas “falham”, as Forças Armadas precisam atuar, o que ele disse torcer para que não ocorra.

“Quando os senhores falham, entram nós das Forças Armadas. E confesso que torcemos e muito para não entrarmos em campo”, declarou. Após a cerimônia, acrescentou: “Quando acaba a saliva, entra a pólvora. Não queremos isso”.

Durante a fala, Bolsonaro afirmou que o concurso para diplomatas será mantido neste ano e nos seguintes.

“O nosso ministro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, em contato com o nosso ministro da Economia, Paulo Guedes, informou que manterá o concurso dos senhores no corrente e nos demais anos. Então, uma prova de reconhecimento do trabalho de todos os senhores e senhoras”, afirmou.

‘Sangue nas veias’

O chanceler Ernesto Araújo afirmou em seu discurso na formatura dos alunos do Instituto Rio Branco que diplomacia exige “sangue nas veias”.

O ministro das Relações Exteriores se emocionou em mais de uma oportunidade durante sua fala.

Araújo deu a declaração ao citar a patrona da turma de diplomatas, Aracy de Carvalho Guimarães Rosa, mulher do escritor Guimarães Rosa, reconhecida, segundo o Itamaraty, por ajudar a salvar a vida de dezenas de judeus na Segunda Guerra Mundial, ao aprovar seus pedidos de visto ao Brasil.

“É uma belíssima escolha de patrona. Mostra a consciência desta turma de que a diplomacia não significa ficar em cima do muro. Não significa ficar assistindo aos grandes embates da humanidade esperando para ver quem ganha e aí aderir ao vencedor. Diplomacia precisa ter sangue nas veias”, discursou.

Araújo também afirmou que o Brasil não será diferente caso mantenha a mesma política externa das últimas décadas e destacou que, na Venezuela, há “um combate entre a democracia e a opressão, entre a verdade e o cinismo”.

Ordem de Rio Branco

Jair Bolsonaro esteve no Itamaraty para a comemoração do Dia do Diplomata, celebrado nesta sexta-feira (3).

No evento, o presidente entregou a insígnia da Ordem de Rio Branco a autoridades, entre as quais o vice-presidente Hamilton Mourão e ministros, como Sérgio Moro (Justiça) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional).

O escritor e ideólogo Olavo de Carvalho, considerado uma espécie de guru da família Bolsonaro, também foi agraciado com a distinção, mas não compareceu à cerimônia.

Bolsonaro foi questionado sobre a insígna a Olavo de Carvalho e explicou que o Itamaraty fez um “filtro” nos homenageados.

“Quando eu assinei a relação, eu não vi quem era de esquerda nem direita. Houve um filtro do Itamaraty e não vetamos nenhum nome.”

Deixe uma resposta