Adolescente é estuprada durante sessão de hipnose em Sobral

Uma adolescente de 13 anos foi dopada e estuprada por um terapeuta em Sobral durante consulta. Ele tirou a virgindade da garota enquanto a mãe aguardava pela filha do lado de fora da sala.

O caso foi registrado como estupro de vulnerável na delegacia da mulher, em dezembro de 2019, mas o autor do crime continua sem punição.

Foi aberto um inquérito policial, sob o número 13/2020, mas até hoje não deu em nada. Nem mesmo uma operação de busca e apreensão foi realizada, contra o acusado Daniel Menezes Nogueira. Ele é formado em Gestão de Recursos Humanos, pela UVA, e estuda Psicologia na Faculdade Luciano Feijão. Formado pelo Instituto Brasileiro de Hipnologia, atua como hipnoterapeuta.

Tem usado a profissão para cometer crimes sexuais.

O profissional é tido como acima de qualquer suspeita na sociedade sobralense. Foi presidente da Associação Comercial e Industrial de Sobral (Acis). Sabe-se que é muito religioso e participante ativo da Comunidade Rainha da Paz. Ele foi indicado aos pais como ótimo terapeuta por integrantes da irmandade.

Segundo os pais da adolescente, Daniel Menezes Nogueira, pediu que levassem o medicamento que a filha de apenas 13 anos, tomava para o tratamento de depressão. A mãe conta que a garota foi dopada com o próprio remédio enquanto estava sozinha com o acusado por cerca de três horas. Daniel nega que deu remédio a jovem e garante que a mãe acompanhou de perto a terapia.

Mas consta nas mensagens trocadas entre o terapeuta e a mãe da adolescente, que no dia 12 de novembro por volta das 09h40 a mãe chega na clínica e manda mensagem perguntando o número da sala. Duas horas e 40 minutos depois Daniel manda uma mensagem perguntando se a mãe estava na clínica e ela responde que sim.

Ela estava na recepção e não dentro do consultório acompanhando a terapia como ele afirma.

O caso só foi descoberto porque no segundo atendimento realizado após 17 dias, o acusado tentou tirar a roupa da jovem, mesmo sem dopá-la. Diante da resistência da garota, ele se apresentou como sexólogo, dizendo que fazia parte do tratamento. A vítima contou que dormiu durante o primeiro atendimento e ao despertar do sono chegou a ver o acusado seminu, ainda vestindo a roupa.

O que deveria ter sido um atendimento terapêutico contra a depressão, acabou deixando mais sequelas tanto para a vítima, quanto para toda a sua família. Os atendimentos foram realizados nos dias 12 e 26 de novembro de 2019, na clínica de Terapia Superar, localizado no centro de Sobral, no Ceará. Daniel Nogueira tem forte influência social, dá palestras sobre terapia com hipnose e já se envolveu em outros crimes. Talvez isso explique porque o caso está sendo abafado, com retardo no andamento das investigações.

O exame do IML confirmou o estupro, atestando o rompimento do hímen, mas até hoje os pais não foram chamados nem para prestar depoimento, e o acusado continua a atender em sua clínica.

O crime se enquadra como estupro de vulnerável consumado, segundo o Artigo 217 A, do Código Penal, a pena pode chegar de 8 a 15 anos de reclusão.

Adolescente é estuprada durante sessão de hipnose em Sobral

Adolescente é estuprada durante sessão de hipnose em SobralUma adolescente de 13 anos foi dopada e estuprada por um terapeuta em Sobral durante consulta. Ele tirou a virgindade da garota enquanto a mãe aguardava pela filha do lado de fora da sala. O caso foi registrado como estupro de vulnerável na delegacia da mulher, em dezembro de 2019, mas o autor do crime continua sem punição. Foi aberto um inquérito policial, sob o número 13/2020, mas até hoje não deu em nada. Nem mesmo uma operação de busca e apreensão foi realizada, contra o acusado Daniel Menezes Nogueira. Ele é formado em Gestão de Recursos Humanos, pela UVA, e estuda Psicologia na Faculdade Luciano Feijão. Formado pelo Instituto Brasileiro de Hipnologia, atua como hipnoterapeuta. Tem usado a profissão para cometer crimes sexuais.O profissional é tido como acima de qualquer suspeita na sociedade sobralense. Foi presidente da Associação Comercial e Industrial de Sobral (Acis). Sabe-se que é muito religioso e participante ativo da Comunidade Rainha da Paz. Ele foi indicado aos pais como ótimo terapeuta por integrantes da irmandade. Segundo os pais da adolescente, Daniel Menezes Nogueira, pediu que levassem o medicamento que a filha de apenas 13 anos, tomava para o tratamento de depressão. A mãe conta que a garota foi dopada com o próprio remédio enquanto estava sozinha com o acusado por cerca de três horas. Daniel nega que deu remédio a jovem e garante que a mãe acompanhou de perto a terapia. Mas consta nas mensagens trocadas entre o terapeuta e a mãe da adolescente, que no dia 12 de novembro por volta das 09h40 a mãe chega na clínica e manda mensagem perguntando o número da sala. Duas horas e 40 minutos depois Daniel manda uma mensagem perguntando se a mãe estava na clínica e ela responde que sim. Ela estava na recepção e não dentro do consultório acompanhando a terapia como ele afirma.O caso só foi descoberto porque no segundo atendimento realizado após 17 dias, o acusado tentou tirar a roupa da jovem, mesmo sem dopá-la. Diante da resistência da garota, ele se apresentou como sexólogo, dizendo que fazia parte do tratamento. A vítima contou que dormiu durante o primeiro atendimento e ao despertar do sono chegou a ver o acusado seminu, ainda vestindo a roupa. O que deveria ter sido um atendimento terapêutico contra a depressão, acabou deixando mais sequelas tanto para a vítima, quanto para toda a sua família. Os atendimentos foram realizados nos dias 12 e 26 de novembro de 2019, na clínica de Terapia Superar, localizado no centro de Sobral, no Ceará. Daniel Nogueira tem forte influência social, dá palestras sobre terapia com hipnose e já se envolveu em outros crimes. Talvez isso explique porque o caso está sendo abafado, com retardo no andamento das investigações.O exame do IML confirmou o estupro, atestando o rompimento do hímen, mas até hoje os pais não foram chamados nem para prestar depoimento, e o acusado continua a atender em sua clínica. O crime se enquadra como estupro de vulnerável consumado, segundo o Artigo 217 A, do Código Penal, a pena pode chegar de 8 a 15 anos de reclusão.Reportagem Oswaldo Eustáquio

Posted by Sobral Online on Wednesday, August 12, 2020

Reportagem Oswaldo Eustáquio

- Advertisement -

Deixe uma resposta