Advogado de Mari Ferrer diz que absolvição de André Aranha é frágil: ‘Ele jamais vai poder negar o fato’

O advogado da influenciadora digital Mariana Ferrer, Julio Cesar Ferreira da Fonseca, afirmou que a decisão que confirmou a absolvição de André de Camargo Aranha é “extremamente frágil” e que vai promover os recursos cabíveis. “Está se dando uma ideia de que a absolvição dele foi cristalina. Não foi. No meio dos criminalistas nós chamamos isso de ‘absolvição meia-boca’. Ficou reconhecido, de maneira incontroversa, que houve a conjunção carnal, que a minha cliente perdeu a virgindade e o autor foi ele. Isso é fato incontroverso no processo”, disse o advogado à Jovem Pan. Na última quinta-feira, 7, o Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) confirmou a sentença de primeira instância que absolveu o empresário, acusado de estupro de vulnerável pela influenciadora. Ela afirma que foi dopada e estuprada em dezembro de 2018 no Café de La Musique, uma boate em Florianópolis. Na época, o exame de corpo de delito encontrou sêmen do empresário e sangue dela. A perícia constatou que o hímen foi rompido. Na última quinta-feira, também foi julgado um recurso da defesa de Aranha, que pede que a Justiça altere o fundamento da sentença e reconheça que não houve relação sexual entre os dois. Segundo Fonseca, o Tribunal confirmou a absolvição com base na vulnerabilidade de Ferrer, mas constatou que houve, sim, conjunção carnal.

“Ficou absolutamente claro no voto de um dos desembargadores que o fato ocorreu. Ou seja, ele [André Aranha] vai ter que carregar para o resto da vida que a conjunção carnal ocorreu, a perda da virgindade e que o autor foi ele. O único motivo pelo qual ele conseguiu a absolvição foi porque houve dúvida com relação à vulnerabilidade. Ele jamais vai poder negar o fato”, afirmou o advogado. “Ela não mentiu. O que houve foi dúvida em relação à vulnerabilidade. Dúvida não é mentira. O Tribunal reconheceu a conjunção carnal, a perda da virgindade e reconheceu que ele é o autor”, destacou. Fonseca ressaltou que respeita a decisão da Justiça, mas que há provas “acachapantes” sobre a vulnerabilidade de Ferrer. Ele afirmou ainda que a influenciadora está com depressão e síndrome do pânico. “Ela está péssima. Ela hoje é uma moça que vegeta dentro de casa, sofre com síndrome do panico, depressão, fobia social. Foi um resultado que ela não esperava”, contou.

Jovem Pan

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.