Alta demanda gera falta de testes de Covid e longa espera para consultas nas redes pública e privada

Segunda-feira, 1º dia útil de 2022. Dos 4 cearenses com Covid que você verá aqui, 3 manifestaram sintomas nesse dia. A multiplicação rápida e simultânea de casos de síndromes gripais tem tido um efeito imediato: a escassez de testes e de estrutura suficiente para comportar a demanda.

sobrecarga afeta as redes pública e privada, onde pacientes amargam longas filas de espera para atendimento médico e dificuldade de encontrar testes de Covid e de influenza, este disponível apenas em equipamentos privados.

Quando a garganta “arranhou” e o nariz “entupiu”, a publicitária Ana Luiza Ribeiro, 32, recorreu a um teste rápido de farmácia, no município de Eusébio, para rastrear a possível infecção por coronavírus. Deu negativo. Resultado contrariado por um RT-PCR feito no posto de saúde, no dia seguinte.

Com a piora do quadro, Ana Luiza tentou fazer uma teleconsulta pelo plano de saúde, sem sucesso. “Só tinha pra dois dias à frente, então achei melhor ir ao hospital para receber atendimento médico e fazer exames, por precaução”, relata.

Para conseguir uma teleconsulta de 2 minutos pelo plano, o engenheiro Milton Fajardo, 30, precisou esperar quase 4 horas – e isso após um dia inteiro tentando, pelo menos, entrar na fila.

“Comecei a ter sintomas segunda à noite, me isolei e busquei a consulta online, porque um amigo que passou o réveillon comigo testou positivo. Na terça, tentei o dia todo, e o sistema tava lotado. No dia seguinte, consegui entrar na fila. Eu era a posição 248”, relata.

Após o atendimento, outra saga se iniciou: conseguir fazer o teste prescrito pelo médico. “Desisti de fazer pelo plano, pela lotação do local, e fui esperar 1 hora na fila da farmácia. Até que consegui e deu positivo pra Covid”, relembra.

 

Nos 2 primeiros dias, fiquei derrubado. Depois disso, estou tranquilo. Minha mãe testou positivo também, mas estamos vacinados. Isso é o que me mantém tranquilo.

MILTON FAJARDO
30 anos

 

A confiança nas três doses do imunizante também sustenta a advogada Nahiana Araújo, 39, cujos primeiros sintomas gripais também surgiram no primeiro dia útil do ano. Para confirmar que era Covid, precisou desembolsar cerca de R$ 600 em testes laboratoriais.

“Entrei no Ceará App (aplicativo de serviços do Governo do Estado), para teste público, e não consegui agendar de jeito nenhum. Procurei em tudo que era de farmácia, não tinha. Consegui num laboratório, o exame de Covid e influenza, e eu e minha esposa testamos para Covid”, narra.

Os sintomas, resumidos em tosse, nariz congestionado, dor de cabeça e “moleza” no corpo, se estendem até esta sexta-feira (7), mas não a preocupam. “O sentimento que eu tenho é de tranquilidade, porque estou com as 3 doses da vacina. Confio totalmente na vacina”, sentencia.

A reportagem questionou a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) sobre a indisponibilidade de testes gratuitos, e aguarda retorno da Pasta.

Informações: Diário do Nordeste

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.