Assassinato de Marielle completa seis meses e o mundo pergunta: quem a matou?

O assassinato da vereadora carioca Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes completou seis meses nesta sexta-feira, 14. A morosidade de autoridades e da justiça brasileira em dar respostas sobre as execuções moveu ativistas de direitos humanos em diferentes partes do mundo. Do Rio de Janeiro até Buenos Aires, na Argentina, a cobrança era por respostas: quem matou e quem mandou matar Marielle?

 

São exatos 184 dias de impunidade, sem o Governo do presidente Michel Temer (MDB) ou o líder da intervenção na segurança pública, general Braga Netto, darem respostas sobre os assassinos e os mandantes do crime. A Anistia Internacional liderou um movimento para pressionar os responsáveis pelas investigações.

“A pressão faz com que alguns passos sejam dados, sem pressão, tudo poderia ser diferente. Como movimento global, continuamos pressionando, seja no Twitter, nas redes sociais como um todo e com caminhão na rua, como hoje”, explica à Ponte Jurema Werneck, diretora executiva da Anistia Internacional no Brasil. “Fazemos isso para as autoridades receberem o recado: o Rio de Janeiro, o Brasil e mundo estão de olho e não vão aceitar a impunidade como resposta”, completa.

A entidade usou um caminhão com painel exigindo respostas sobre as mortes. O veículo como equipamento percorreu a cidade, inclusive na sede da intervenção, onde fica o general interventor. Segundo Jurema, a pressão constante possibilita avanços, nem que seja a prestação de contas por parte das autoridades.

“Fomos com a família da Marielle até o procurador-geral de justiça do RJ, levamos recomendações. A mesma coisa aconteceu com o secretário estadual de segurança, o general Richard Nunes. Com pressão, ele recebeu os familiares e nós da Anistia”, exemplifica. “A morte de uma defensora dos direitos humanos impacta em todo o mundo, impacta toda a sociedade. O Brasil está entre aqueles países com maiores assassinatos de defensores e defensoras”, completa.

No Twitter, a Anistia mobilizou o tuitaço (série de mensagens sobre um tema específico) com a hashtag #MariellePresente. A diretora explica que a ação incentiva pessoas de todo o mundo a cobrarem respostas. “Temos mais de 170 mil pessoas de vários países com mensagens enviadas às autoridades, Japão, Noruega, Canadá, Bélgica, Coréia do Sul… vários países e a mobilização só cresce”, diz.

Ação internacional

Além do Rio de Janeiro e das redes sociais, as cobranças aconteceram em outros países, como a Argentina. Em Buenos Aires, militantes se reuniram em frente à embaixada do Brasil. Eles carregaram flores e pregaram cartazes com os dizeres “Quem Matou Marielle?”, em português e castelhano.

“É muito importante e simbólico estarmos na embaixada, diante das autoridades brasileiras, lembrando que não esquecemos, não vamos esquecer”, conta Mariana Marques, diretora de Política e Justiça Internacional da Anistia Internacional da Argentina. “Hoje é uma data importante. Seis meses é muita coisa para não termos uma resposta ainda. Precisamos saber quem matou a Marielle. O Brasil precisa se comprometer a dar essa resposta”, continua.

Mariana também reflete sobre o que chama de “transversalidade de lutas” de Marielle e a sensibilização internacional em torno do caso. “É muito emblemática a luta porque ela convoca muitas lutas. Ela [Marielle] se caracteriza pela transversalidade de lutas: convoca ativistas e militantes pelas causas LGBT, pelos direitos das pessoas afrodescendentes, pelas mulheres e pelas pessoas das favelas”, explica.

De acordo com a ativista, as vozes representadas por Marielle ecoaram com sua morte. “Tentaram silenciá-la, mas, na verdade, o que conseguiram foi promover sua luta no mundo inteiro e fazer com que muitas outras pessoas se sensibilizem e se somem”, argumenta.

Na semana passada, o senado argentino homenageou a vereadora morta entregando um diploma de honra, um “reconhecimento por sua extraordinária valentia e compromisso na luta pelos direitos humanos”, à viúva de Marielle, Mônica Benício. “Um dos meus pedidos [para vir a Argentina] foi ter formação política com vocês, porque vocês, muito melhor do que o Brasil, têm não só o conhecimento da dor, mas da resistência. Estou aqui para que a gente não tenha outras Marielles no sentido da barbárie, mas tenha muitas outras Marielles no sentido da luta e da resistência”, falou Mônica, na oportunidade.

Deixe uma resposta