Bolsonaro recua e diz que manterá Trabalho com status de ministério

O presidente eleito Jair Bolsonaro informou nesta terça-feira (13) que a pasta do Trabalho manterá status de ministério e não se tornará uma secretaria.

Bolsonaro deu a declaração numa entrevista coletiva em Brasília, após ser questionado sobre o assunto.

Na semana passada, o presidente eleito havia dito que pasta do Trabalho perderia status ministerial e seria incorporada a algum ministério.

“O Trabalho vai continuar com status de ministério. Não vai ser secretaria, não”, afirmou.

Questionado se o ministério irá incorporar alguma pasta, respondeu:

“Vai ser ministério disso, disso e Trabalho. É igual o Ministério da Indústria e Comércio, é tudo junto, está certo? O que vale é o status”.

Na avaliação do presidente eleito, “ninguém está menosprezando” o Ministério do Trabalho.

Na semana passada, após Bolsonaro dizer que o Ministério do Trabalho seria incorporado a outra pasta, servidores protestaram na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, e deram um abraço simbólico no prédioonde funciona o órgão. Nesta terça houve um novo protesto.

Segundo o presidente eleito, a meta atual é reduzir o número de ministérios de 29 para 17, mas pode chegar a 18 – inicialmente, Bolsonaro havia dito que seriam “no máximo” 15 pastas.

“Se tiver que aumentar mais um ou dois, que aumente. A gente não pode é prejudicar administrar da nação por fixar o número 15. Está em 17, e talvez seja 18”, disse.

Jair Bolsonaro fala sobre fusão de ministérios

Jair Bolsonaro fala sobre fusão de ministérios

MDIC

O presidente eleito não informou qual pasta poderá ser fundida com o Ministério do Trabalho.

Sobre uma eventual fusão com a pasta da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Bolsonaro disse que a estrutura ficará sob responsabilidade do Ministério da Economia.

“Botar mais o Ministério do Trabalho acho que fica um pouco pesado”, ressaltou.

Encontro do G20

Bolsonaro também informou nesta terça-feira que por questões de saúde não deve viajar com o presidente Michel Temer para o encontro do G20, em Buenos Aires (Argentina) – o grupo reúne as 20 principais economias do mundo.

Na última semana, Temer informou ter convidado o presidente eleito para as viagens internacionais que fará até o fim do ano.

“A princípio, não [irá à viagem]. Estou com problemas de saúde, tenho que evitar viagem mais longa e tem o problema da minha saúde. Talvez não vá”, afirmou o presidente eleito.

Reajuste para o STF

Bolsonaro foi perguntado sobre o reajuste em 16% os salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e do procurador-geral da República. O projeto aguarda a sanção ou veto do atual presidente Michel Temer.

“Está nas mãos do Michel Temer. Logicamente é motivo de preocupação, já estamos com um deficit enorme para o ano que vem e é mais um problema que vamos ter”, disse Bolsonaro.

Comissionados

O presidente eleito declarou aubda que pretende diminuir o número de cargos de confiança em estatais, ministérios e nos bancos públicos.

“Não posso falar o percentual, no mínimo, aí, 30% a gente vai cortar, no mínimo. Há um exagero dos comissionados nos ministérios”, declarou.

Jonas Deison

Somos um portal de notícias focado na cidade de Sobral, Ceará. Prezamos sempre pela notícia verdadeira e sem conteúdo apelativo. Contato: (88) 99222-3363 | (88) 99632-4226 Administrador: Jonas Deison

Deixe uma resposta