Casal e estudante mortos em acidente na Bahia serão velados em Brasília; corpos não foram liberados

Os corpos do casal de técnicos de enfermagem e da estudante que iriam passar férias em Sobral e estavam desaparecidos desde 12 de janeiro serão velados em Brasília, onde moravam. O carro com os três foi encontrado por uma equipe de buscas que circulava a pé, nesta segunda-feira (18), distrito de Formosa do Rio Preto (BA), em uma ribanceira, conforme a Polícia Rodoviária Federal da Bahia.

O cearense José Cleves Araújo, a companheira Thatiele Cardoso Aures, e a filha de José, a estudante Giovana Araújo foram encontrados já sem vida, por volta de 12h40. A família saiu de Brasília na madrugada de terça-feira (12) para passar férias em Sobral, na Região Norte do estado.

Conforme uma familiar de José Cleves, ainda não há previsão para que os corpos sejam liberados para a família. Os corpos foram encaminhados para Instituto Médico Legal, onde passarão por exames para confirmar as identidades.  

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal de Barreiras, que fazia buscas pelo casal desde sábado (16), a hipótese é de que o motorista tenha cochilado durante o trajeto e o carro saiu da pista. O veículo capotou e caiu da ribanceira com as rodas para cima, em uma área de pouca visibilidade e com muita vegetação.

Ainda conforme a PRF, é possível que algum deles tenha sobrevivido à queda, mas não conseguiu deixar o carro, pois as portas do veículo foram achatadas com o acidente, impedindo a saída. Como o veículo não deixou marcas de frenagem na pista e só podia ser visualizado por pessoas a pé, que se aproximassem do local, as buscas foram dificultadas.

Os três perderam o contato com a família na terça-feira (12), após passarem pelo município de Luís Eduardo Magalhães, de acordo com a irmã de José, Sônia Cordeiro. Ela disse que, em seu último contato, José afirmou que voltaria a ligar, o que não ocorreu

Após a equipe achar o veículo, uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi até o local e constatou os óbitos.

Fonte: Diário do Nordeste

Deixe uma resposta