Dom Celso Queiroz prega Retiro para o Clero de Sobral de 10 a 14/03

Clero de Sobral se reúne durante os dias 10 a 14 de março
Sob o comando do Bispo
Diocesano de Sobral, D. Odelir, o clero da Diocese de Sobral, está reunida, na Casa da
Comunidade Católica Shalom, em Fortaleza, para a realização de seu Retiro
Anual, que teve inicio nesta segunda-feira, 10 e seguirá até sexta-feira, 14 deste mês, em 03 dias e meio, completos de oração, de reflexão, de penitência e de
avaliação de suas vidas, serem orientados, ajudados e acompanhados pelo Sr.
Bispo Emérito de Catanduva – SP, D. Celso Queiroz, como Pregador. 
Dom Odelir explica que “todos os
anos, logo no início da Quaresma, nós nos “retiramos” de nossas atividades
paroquiais e pastorais e nos encontramos em um lugar tranqüilo, para uma
reflexão pessoal e coletiva, de nossos compromissos sacerdotais, da maneira
empreendida para comunicar a palavra de Deus e do trabalho missionário
realizado”. 
E o que vem a ser um “retiro”? Por que nos recolhermos em lugar tão
escondido? Onde vamos encontrar fundamento para realizar isto? 
Claro que a
resposta, nós encontramos, na própria Palavra de Deus. Em S. Lucas, capítulo 5,
versículo 16, está escrito: “Jesus costumava retirar-se a lugares solitários,
para orar”. Mais adiante, no capítulo 22, versículos 39 e seguintes, o mesmo S.
Lucas acrescenta: “conforme o costume, Jesus saiu dali e dirigiu-se para o
monte das oliveiras, seguido dos seus discípulos. Ao chegar àquele lugar,
disse-lhes: orai, para que não caiais em tentação”. 
O “retiro” é, exatamente,
isso: “um lugar solitário”… “um lugar de oração”… “um lugar retirado”,
afastado do barulho do mundo; longe das preocupações do dia a dia e dos
afazeres habituais, para uma comunicação ou um contato mais estreito com Deus.
Para nós, é uma oportunidade preciosa para fazer uma boa confissão, para uma
revisão mais detalhada de nossa vida, para uma recomposição de forças, para um
reabastecimento espiritual, a fim de retornarmos ao trabalho, com mais
disposição e coragem, junto às nossas comunidades. Enfim o “retiro” é como um
posto de combustível: quando o tanque está na “reserva” ou quase vazio, a gente
reabastece e continua a viagem. É assim que nos vamos sentir ao retornar:
reabastecidos para as nossas atividades ou as nossas viagens; para mais
palestras ou mais celebrações de sacramentos; para mais sermões ou mais
serviços ao altar e ao povo de Deus; para melhor atender às confissões ou aos
aconselhamentos dos que nos procuram. Nós nos consumimos, física, mental e
espiritualmente, todos os dias. Daí, a necessidade de um «retiro».
Que o povo
de Deus, objetivo principal de nossa oração e ação, nos acompanhe com as suas
preces, nos ajude e nos estimule a realizar cada vez melhor a nossa missão, finaliza Dom Odelir Magri