Eleições | Suplentes de senador têm pouca visibilidade na campanha

Os suplentes de senador, quase sempre desconhecidos dos eleitores, podem chegar ao Senado através do voto no senador titular. Nestas eleições, o Ceará contar com oito suplentes de senador, dois para cada candidato. A chapa tripla é obrigatória para o registro da candidatura de senador e pode ser composta por postulantes de diferentes siglas.
Apesar de os nomes dos suplentes terem obrigatoriamente de aparecer nos materiais de campanha dos candidatos, quase sempre são colocados com pouca visibilidade. Neste pleito, até agora, nenhum postulante do Ceará ao Senado mostrou seus suplentes no horário eleitoral gratuito. Desde as eleições de 2010, o nome e a foto dos suplentes passaram a integrar a urna eletrônica, permitindo o conhecimento por parte dos eleitores.
De acordo com o cientista político Francisco Moreira, professor da Universidade de Fortaleza, em todo o País, é comum a escolha de suplentes que ajudem a financiar as campanhas dos candidatos titulares e de pessoas de expressão na sociedade.
Interior
A maioria dos suplentes no Ceará, neste ano, é formada por homens, de 43 anos a 84 anos, casados e nascidos no Interior do Estado, alguns já conhecidos no cenário político, como o atual deputado federal Padre Zé Linhares (PP), da chapa de Mauro Filho, influente na Região Norte do Estado, deputado federal há 23 anos e sacerdote.
O suplente de Tasso Jereissati também é um veterano, o ex-deputado federal Chiquinho Feitosa (DEM), empresário ligado ao setor do transporte coletivo. Os suplentes mais jovens destas eleições estão na coligação PSTU, PCB e PSOL, da candidata Raquel Dias (PSTU). São eles a primeira suplente Carlota Sales de Carvalho (PSTU), de 36 anos, e o segundo suplente Augusto César Tavares (PSOL), de 43 anos.
A primeira suplente de Geovana Cartaxo (PSB) é a professora de Ensino Superior Valda Albuquerque, de 69 anos, natural de Quixadá, e o segundo suplente é Geraldo Cadeira, de 59 anos, natural do Cedro.
O segundo suplente de Mauro Filho no Senado é Honório Pinheiro (PROS), presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes lojistas do Ceará. Já a segunda suplência do tucano Tasso Jereissati é o médico Fernando Façanha, do PSDB.
Com Informações do DN