Estado não renova contrato com Fretcar que opera 22 linhas de ônibus

A Fretcar vai deixar de operar 22 linhas de ônibus intermunicipais que atendem a 27 municípios cearenses. O Governo do Ceará não vai renovar o contrato com a empresa, vencido no último dia 17 de novembro, após dez anos, devido ao não cumprimento de requisitos mínimos como regularidade jurídica e fiscal, segundo o Diário Oficial do Estado (DOE).

Mas, para não deixar desassistida a população que depende desses ônibus para se deslocar entre cidades, a Agência Reguladora do Ceará (Arce) autorizou a Fretcar a continuar operando as linhas até o fim de março do próximo ano, tempo equivalente aos 120 dias necessários para fazer nova licitação para a substituição da empresa.

Em nota, a Arce explicou que o sistema de transporte intermunicipal é distribuído em oito lotes, sete deles com contratos iniciados há dez anos. O lote 2, que corresponde ao pacote de municípios atendidos pelo contrato encerrado este ano com a Fretcar, engloba: Acarape, Aracoiaba, Aratuba, Banabuiú, Barreira, Baturité, Capistrano, Choró, Deputado Irapuan Pinheiro, Guaramiranga, Ibaretama, Ibicuitinga, Itapiúna, Milhã, Mombaça, Mulungu, Ocara, Pacoti, Palmácia, Pedra Branca, Piquet Carneiro, Quixadá, Quixeramobim, Redenção, Senador Pompeu e Solonópole.

No entanto, a Fretcar opera, também, o lote 5, que compreende municípios como Acaraú, Amontada, Barroquinha, Itapipoca e Jijoca de Jericoacoara. Diferentemente do lote 2 e de todos os outros, esse contrato tem prazo de validade diferente, se encerrando em 2020. Portanto, a Arce assegurou, não deve ser impactado pela não renovação do outro contrato.

Um dos maiores medos dos usuários dos ônibus da Fretcar com o fim do contrato era ter de depender de topiques para se deslocar entre cidades. “Topique é perigosa e vem muito lotada, a gente tem muito medo de pegar”, relatou a empregada doméstica Ticiane de Moraes, 36.

Ticiane mora na serra de Pacoti e se desloca para Fortaleza toda segunda-feira, fazendo o caminho inverso somente às sextas-feiras. Juntando as passagens de ida e volta, ela gasta R$ 33. Nas topiques, o custo é R$ 5 menor, mas há risco e desconforto. “A preocupação é com lotação, mas com a segurança da gente, também. Não tem cinto (nos assentos), vai gente em pé”, reforçou. Ela acrescenta que os ônibus da Fretcar também não são confortáveis.

Em nota, a Fretcar garantiu que não deve haver interrupção da operação das linhas do lote 2 até março de 2020. Concluiu: “Seguiremos normalmente nos demais locais atendidos pela Fretcar, onde reforçamos nosso compromisso com a população de transportar pessoas com segurança, conforto e pontualidade”.

Este conteúdo exclusivo para assinantes está temporariamente disponível a todos os leitores

Transporte intermunicipal

Municípios do lote 2, que vão ser operados pela Fretcar até março de 2020, quando deve ser feita nova licitação

Acarape, Aracoiaba, Aratuba, Banabuiú, Barreira, Baturité, Capistrano, Choró, Deputado Irapuan Pinheiro, Guaramiranga, Ibaretama, Ibicuitinga, Itapiúna, Milhã, Mombaça, Mulungu, Ocara, Pacoti, Palmácia, Pedra Branca, Piquet Carneiro, Quixadá, Quixeramobim, Redenção, Senador Pompeu e Solonópole.

Municípios do lote 3, que continuam a ser operados pela Fretcar até o fim de 2020

Acaraú, Amontada, Barroquinha, Bela Cruz, Camocim, Cruz, Granja, Itapipoca, Itarema, Jijoca de Jericoacoara, Marco, Miraíma, Morrinhos, Paracuru, Paraipaba, Santana do Acaraú, São Luís do Curu, Trairi, Tururu, Umirim e Uruburetama.

 Fonte: Agência Reguladora do Ceará (Arce).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui