‘Fui tomar satisfação’, afirma idoso que enfrentou PM em protesto

Homem fica parado enquanto policiais se aproximam para conter manifestantes (Foto: Paulo Whitaker/Reuters)
O senhor flagrado frente a frente com a polícia na manifestação desta quinta-feira (27), na Avenida Dedé Brasil, próximo à arena Castelão, afirma que, no momento da imagem, estava ”tomando satisfação” por ter sido atingido por gás lacrimogêneo. Sílvio Mota, 68 anos, é juiz do trabalho aposentado e coordenador do Comitê pela Verdade, Memória e Justiça do Ceará. “Quem enfrentou a Ditadura Militar não sente muita coisa diante daqueles pobres desgraçados que estavam lá”, disse, referindo-se ao momento exato da fotografia. A comissão do Ministério Público que acompanhou o protesto não havia constatado até esta quinta-feira (27) excessos da PM.
O homem afirma que chegou até o bloqueio porque a polícia jogou bombas de gás lacrimogêneo na manifestação, no local em que estava com a esposa, chegando a atingi-los. “Eu fui protestar. Eles me agrediram. Me levantei e fui tomar satisfações. Aquilo foi uma violação de tudo!”, conta. A imagem foi capa da edição desta sexta-feira (28) da publicação norte-americana The New York Times.
No momento em que chegou ao bloqueio, Sílvio, 68 anos, conta que os policiais não o receberam de maneira positiva. “Primeiro, eles tentaram dizer que eu não tinha direito de ir até eles. Depois tentaram me prender. Precisei mostrar minha identidade profissional, aí eles recuaram”, afirma. De acordo com Silvio, ele se afastou para voltar à manifestação. Neste momento, os policiais lançaram projéteis de gás lacrimogêneo. “Vi cinco artefatos sendo jogados. Um deles pegou nas minhas costas”, conta.
Sobre o episódio envolvendo Sílvio Mota, a Polícia Militar informou que tem nada a declarar. A PM ressalta, ainda, que toda a ação da polícia foi legítima e acompanhada de perto pelo Ministério Público.
Informações: G1