Justiça determina envio imediato de 25 mil doses da CoronaVac para o Ceará

A Justiça determinou que o Governo Federal envie imediatamente ao Ceará as 25.019 doses de CoronaVac que faltam para completar a imunização de idosos que estão com a aplicação da segunda dose atrasada devido à falta do imunizante. A decisão foi divulgada pelo governador Camilo Santana (PT), na tarde desta quarta-feira (12). 

Print do Camilo

No início deste mês, as defensorias Pública do Ceará (DPCE), da União (DPU), o Ministério Público Federal (MPF), os Ministérios Públicos do Estado (MPCE), do Trabalho (MPT) e a Procuradoria do Ceará (PGE) ingressaram com uma Ação Civil Pública (ACP) contra a União para garantir o quantitativo necessário para aplicar em idosos com a segunda dose da CoronaVac atrasada.

“Na decisão, o juiz determina que não poderá haver compensação entre doses adicionais decorrentes da ordem judicial e as que deveriam ser regularmente enviadas ao Ceará”, informou Camilo.

Das duas remessas de imunizante do Butantan recebidas no último fim semana pelo Ceará, somente a menor — com 11 mil doses — não estava prevista no envio regular de vacinas para o Estado. Portanto, o envio de lote com 38 mil imunizantes, na sexta-feira (7), não pode ser considerado cumprimento da decisão judicial.

Depois da chegada do lote com 38 mil vacinas da CoronaVac, no sábado (8), chegaram 11 mil – totalizando 49 mil. A defensora pública geral do Ceará, Mariana Lobo, explica, porém, que essas “38 mil são as doses que o Ceará já tinha direito, independente da ação judicial. Portanto, doses extras foram apenas as 11 mil”.

Com isso, os órgãos cobraram novamente na Justiça Federal, nesta terça-feira (11), o envio das 25.019 vacinas faltantes pela União.

Fonte: Diário do Nordeste

Deixe uma resposta