Mensalão: Cearense José Genoino foi primeiro a receber mandado

Oito anos depois da revelação do esquema chamado de “mensalão”, o ex-ministro José Dirceu, o deputado José Genoino e outros sete condenados por seu envolvimento com o esquema se entregaram à Polícia Federal, após a expedição de suas ordens de prisão pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, ainda na tarde ontem.

Dois dos 12 condenados com prisão decretada ainda não se apresentado às autoridades. Outros dez já se apresentaram. Todos serão levados neste fim de semana a Brasília, onde a Justiça indicará o local em que começarão a cumprir suas penas.
Ainda faltavam se entregar os petistas Delúbio Soares e Henrique Pizzolato. Delúbio afirmou, por meio de seu advogado, que vai se apresentar amanhã pela manhã. O primeiro a se apresentar foi o ex-presidente do PT José Genoino. O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu se entregou em São Paulo. Em Brasília se apresentou o ex-tesoureiro do PL (hoje PR) Jacinto Lamas. Em Belo Horizonte se entregaram Marcos Valério de Souza, seus ex-sócios Cristiano Paz e Ramon Hollerbach, a ex-diretora da agência SMPB Simone Vasconcelos, o ex-deputado federal Romeu Queiroz, a ex-presidente do Banco Rural Kátia Rabello e, por último, José Roberto Salgado, ex-vice-presidente do mesmo banco.
A expectativa é de que a PF transfira hoje os presos que foram recolhidos em cada Estado para o Distrito Federal em aviões de sua frota. Devido a uma decisão do STF, o juiz de execuções penais de Brasília será responsável por executar as penas. Quando os condenados forem entregues, o juiz deverá enviar ao presídio da Papuda os presos que ficarão em regime inicialmente fechado, como Marcos Valério e seus ex-sócios Paz e Hollerbach.
Aqueles que forem enviados para o regime semiaberto, como Dirceu, Genoino e o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, ficarão no CPP (Centro de Progressão Penitenciária). Os presos enviados ao CPP, entretanto, terão de receber uma autorização da Justiça antes de poderem sair do estabelecimento prisional durante o dia para trabalhar. Todos deverão pedir à Justiça para serem transferidos para seus Estados de origem, o que sugere um trâmite algo demorado até eles de fato desfrutarem da possibilidade de só dormir na cadeia. Em relação aos demais condenados que não tiveram seus mandados expedidos, o presidente do Supremo, Joaquim Barbosa, está analisando seus recursos para poder fixar o regime inicial para expedir os mandados de prisão.
Jonas Deison (Sobral Online), com informações  do DN