Ossada humana encontrada em mata é de jovem que estava desaparecido há cinco meses, em Camocim

A ossada de um jovem, de 23 anos, encontrada às margens da CE-085, em Barroquinha, no litoral-oeste do estado, é de Antonio Marcos da Silva Costao Marcão. O jovem desapareceu no dia 27 de agosto de 2023, após uma abordagem de policiais do Batalhão Especializado em Policiamento do Interior (BEPI), no Lago Seco, em Camocim.

Os restos mortais foram localizados no dia 18 de dezembro de 2023, na estrada de acesso à localidade do Junco, em Barroquinha, próximo à localidade de Timbaúba, próximo à rodovia que liga Barroquinha a Camocim.

Segundo a polícia, exames realizados no crânio e na arcada dentária comprovaram que os restos mortais são de Marcão. Nesta sexta-feira (26) aconteceu o velório e sepultamento do jovem, em Camocim.

Antônio Marcos da Silva Costa e outros dois homens foram abordados pelos policiais em uma barraca de praia. Na ocasião, os três jovens foram levados pelos agentes. Dois deles voltaram para casa na madrugada do dia 28 de agosto e denunciaram que foram torturados, já Antônio Marcos não foi mais localizado. Relatos dos amigos é que Marcão teria discutido com um dos agentes.

Prisões dos policiais

Oito policiais militares do BEPI foram presos, em setembro de 2023, por conta do desaparecimento do jovem. Antes, outros cinco agentes já haviam se apresentado na delegacia.

Os policiais investigados pelo sumiço de Antônio são: o sargento Cristiano Oliveira Sousa; os soldados Samuel Santiago de Lima, José Márcio Carneiro Almada, Eduardo Florêncio da Silva, Wellington Xavier de Farias, José Márcio Barroso da Silva Júnior, Josinaldo Ferreira Barbosa Monteiro; e o cabo Demairton Cipriano Silva. Na época, o g1 tentou localizar a defesa dos agentes, mas sem sucesso.

Todos os oito agentes de segurança investigados pelo desaparecimento de Marcão seguem presos em um presídio em Fortaleza.

A Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário (CGD) afirmou que o caso segue em investigação e de maneira sigilosa. Ano passado, a CGD, havia determinado, o afastamento preventivo dos agentes por 120 dias. O órgão também instaurou um Conselho de Disciplina para apurar as condutas dos militares. A medida foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) no dia 14 de setembro.

A Polícia Militar havia afirmado que as investigações acerca do fato ocorrem em segredo de Justiça e o procedimento está em andamento.

Agressões e tortura

A CGD levou em consideração o depoimento de testemunhas, que afirmaram que no dia 27 de agosto duas equipes do Bepi chegaram em uma barraca na Praia de Maceió por volta as 18h50 e passaram a realizar abordagem de rotina no local.

“Segundo as narrativas nos citados B.O.’s, as duas viaturas policiais chagaram ao local e passaram a realizar abordagem de rotina e, em não encontrando nada, solicitaram que o rapaz conhecido por ‘Marcão’ entregasse seu celular, ao que este recusara e então passaram a espancá-lo juntamente com os outros dois rapazes, colocando os três numa viatura, seguindo em direção a praia do Maceió e, chegando a altura do parque eólico, passaram a torturá-los, ao tempo em que eram questionados por armas a todo momento”, diz um trecho da publicação da CGD.

Dois dos três rapazes levados pelos policiais apareceram em suas casas no dia seguinte, por volta das 03h15. Um deles afirmou que teve aparelho celular permanecido na posse dos policiais militares e outro teve o carro danificado. Já Antônio Marcos não foi mais localizado.

Durante o período que o trio foi levado pelos agentes, familiares e advogados das vítimas entraram em contato com as autoridades da Segurança Pública do município de Camocim e constataram que não havia registro de nenhuma ocorrência sobre essa abordagem policial ou do desaparecimento dos rapazes.

“Após pesquisas no Relatório das Principais Ocorrências Policiais Militares no Estado do Ceará do dia 27/08/2023, foi encontrado o registro em relação ao caso, em que a viatura do POG01 foi até o local do acontecido e procurou por toda área, localizando apenas o Gol preto, próximo de uma barraca, veículo que estava estacionado e travado e foi identificado por um dos advogados como de propriedade de seu cliente, porém, nada mais foi encontrado em relação à denúncia da suposta condução dos rapazes ao Distrito Policial”, disse a Controladoria.

Fonte:  G1 CE

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.