Outubro fecha com a maior média de chuvas no CE em 8 anos; veja cenário por regiões

Tendência para novembro e dezembro é de continuidade das precipitações acima da média

O mês de outubro chegou ao fim com importantes marcas pluviométricas atingidas. A começar pelo volume médio acumulado, que foi o melhor desde 2014. Conforme a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), choveu 7,6 milímetros neste mês, o que representa um desvio positivo de 93,8%. Nesta década, o índice só fica atrás para 2014, cujo acumulado foi de 7,8 mm.

A média histórica de chuvas para outubro, no Ceará, é de apenas 3,9 milímetros. 

 

No início do mês, o Diário do Nordeste havia antecipado que, segundo previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a tendência era de que outubro fechasse acima da média, o que se confirmara. O meteorologista do órgão, Flaviano Fernandes, credita estes bons volumes a atuação da La Niña. 

 

A La Niña é o esfriamento das águas superficiais do Oceano Pacífico Equatorial. Quando ela está atuando, aumentam as chances de ocorrência de chuvas em uma porção do Brasil, que contempla o Ceará.

Ainda conforme o especialista, a mesma tendência é esperada para os meses de novembro dezembro. Hoje, dia 1º, o meteorologista da Funceme, Lucas Fumagalli, aponta possibilidade de chuvas apenas para a região da Ibiapaba e, amanhã, dia de finados, “todas as macrorregiões do Estado” podem receber precipitações.

“Uma frente fria que hoje está no Sul do Brasil está se deslocando em direção ao Nordeste e isso pode incidir em áreas de instabilidades no Ceará”, detalha. A região do Cariri pode receber os maiores volumes nesta quarta-feira.

arte Ceará

5 VEZES SUPERIOR A MÉDIA 

A porção Sul do Ceará, que pode ser a mais beneficiada neste início de novembro, concentrou os maiores volumes pluviométricos neste mês de outubro. Das 8 macrorregiões, o Cariri foi a que possuiu o maior acumulado médio de chuva.

Conforme levantamento realizado pelo Diário do Nordeste, com base em dados da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídrico, a região registrou 54.2 milímetros, índice quase 5 vezes superior a média histórica (11.1mm).

Este volume é o maior dos últimos 10 anos. E, além disso, havia 8 anos que a região não fechava o mês de outubro com pluviometria acima da média. Finalizar o mês com chuvas positivas não é um cenário comum. Das últimas 5 décadas, apenas 18 vezes o Sul do Estado teve um outubro positivo (36%).

Este índice foi impulsionado pelas precipitações registradas nas duas últimas semanas do mês. Em apenas três dias, foram três importantes recordes quebrados: Juazeiro do Norte registrou sua maior chuva dos últimos 50 anos; Missão Velha obteve o maior volume do Brasil e, pela primeira vez em dez anos, não chovia mais de 100 mm em 8 cidades em um intervalo de 24 horas.

 

Legenda: Em novembro e dezembro, a tendência é de que as chuvas sigam acima da média
Foto: Marciel Bezerra

Fonte: Diário do Nordeste

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.