PF investiga se ex-deputado preso ‘lavava’ dinheiro nos EUA

A Polícia Federal (PF) investiga se o ex-deputado federal e estadual pelo Ceará José Adail Carneiro Silva também realizava lavagem de dinheiro nos Estados Unidos. O político foi preso em flagrante pelo cometimento do crime, por estar na posse de R$ 2 milhões em espécie, em uma empresa situada em Fortaleza, durante a deflagração da segunda fase da Operação Km Livre, na última quinta-feira (19).

O Ministério Público Federal (MPF) deu parecer favorável à conversão da prisão em flagrante em preventiva. Já a defesa de Adail destacou “a inexistência de flagrância delitiva, uma vez que ocorreu apenas o encontro fortuito de numerário na sede da empresa, não restando configurado o delito de lavagem de dinheiro, além de inexistirem os requisitos da prisão preventiva”.

Adail Carneiro já foi transferido para uma unidade do sistema penitenciário cearense, informação confirmada pela PF ontem. Questionada sobre o presídio ao qual o político foi destinado, a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) não respondeu.

Conforme decisão da 11ª Vara da Justiça Federal no Ceará que converteu a prisão em flagrante em prisão preventiva na última sexta (20), durante o cumprimento de outro mandado de busca e apreensão, em uma residência de um sobrinho de Adail, em Mossoró (Rio Grande do Norte), a PF encontrou um extrato de uma conta bancária situada em Miami, nos Estados Unidos.

A conta bancária tem como titular o “sobrinho de Adail, aberta no ano de 2019, fato relevante que aponta novos rumos para a lavagem de valores operada pela Orcrim (organização criminosa)”, detalha a Polícia Federal no relatório enviado à Justiça.

Segundo as investigações, o parente já figurou como sócio do político em uma empresa de locação de veículos envolvida no esquema criminoso de fraudes a licitações públicas.

Foi nesta mesma empresa, localizada no Bairro de Fátima, em Fortaleza, que policiais federais apreenderam R$ 2 milhões em espécie escondidos em caixas de televisores e em uma cozinha, na última quinta-feira (19).

Durante a operação, com a descoberta do dinheiro, os policiais federais deram voz de prisão ao empresário. A defesa de Adail Carneiro não comentou o assunto.

Ao ser interrogado pela PF, o ex-deputado garantiu apenas que o dinheiro tem origem lícita e que irá explicar as suspeitas junto da defesa no decorrer do processo.

Fonte: Diário do Nordeste

Deixe uma resposta