Praia do Futuro Conselho aprova construção de usina que gerou polêmica por risco de derrubar internet no Brasil

A usina de dessalinização da água do mar na Praia do Futuro, em Fortaleza, que é centro de polêmica por conta do risco de derrubar internet no Brasil, teve projeto aprovado na tarde desta quarta-feira (8) pelo Conselho Estadual do Meio Ambiente (Coema).

O projeto da usina foi aprovado por 22 votos favoráveis e 4 abstenções. A licença prévia deve ser publicada em até 5 dias no Diário Oficial do Estado. O próximo passo é a apresentação do projeto à Superintendência do Patrimônio da União (SPU), que deve autorizar o acesso do empreendimento ao mar da Praia do Futuro.

Empresas que vendem serviços de internet no Brasil temem que a usina possa causar um apagão digital em todo o Brasil. O risco, segundo a associação de operadoras TelComp, é que a estrutura da usina, que capta água no fundo do mar, possa romper os cabos submarinos que conectam o Brasil a outros países e garantem o abastecimento de internet.

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) nega que a usina ofereça riscos aos cabos submarinos e aponta, inclusive, que já alterou o projeto original para afastar a estrutura de captação de água dos cabos, dando mais segurança às empresas de telefonia.

A usina projetada para remover o sal da água deve aumentar em 12% o fornecimento de água potável na Grande Fortaleza, segundo o Governo do Ceará.

As obras serão feitas por meio de parceria público-privada com o consórcio Águas de Fortaleza, que venceu edital com investimento previsto de R$ 3,2 bilhões.

Caso o processo siga sem interferências, a previsão é que as obras tenham início em março de 2024, com prazo estimado de conclusão para o primeiro semestre de 2026.

Praia de Fortaleza é hub da internet no Brasil

Vista como uma solução a longo prazo para socorrer o Ceará nos períodos de seca, a usina está no meio de uma polêmica envolvendo o setor de telecomunicações. O motivo é o local escolhido para as instalações: a Praia do Futuro.

Nesse trecho do litoral, Fortaleza recebe 17 cabos submarinos que conectam o Brasil e a Europa e garantem internet rápida para o resto do país. Isto acontece pela proximidade com o continente europeu, distante cerca de seis mil quilômetros.

A partir da capital cearense, os cabos são estendidos até Rio de Janeiro e São Paulo. Conforme a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), esses cabos são responsáveis por 99% do tráfego de dados. E um rompimento destes cabos deixaria o país inteiro off-line ou com a internet bastante lenta. 

A primeira versão do projeto da usina posicionava tubulações a 40 metros dos cabos de fibra ótica. A pedido da Anatel, a distância foi alterada para 567 metros. Com essa alteração, a Cagece afirma que a usina “não apresenta nenhum risco ao funcionamento dos cabos submarinos localizados na Praia do Futuro”.

A Anatel afirmou ao g1 que informou sua oposição à obra em setembro de 2022, mas que foi notificada sobre a alteração no projeto em agosto de 2023; agora, a agência analisa os ajustes apresentados para verificar se o convívio entre os dois projetos é viável.

Com a repercussão do caso, o atual governador do Ceará, Elmano de Freitas, defendeu a instalação da usina em Fortaleza, mas disse estar disposto a encontrar um novo local caso a Anatel comprove que, na Praia do Futuro, há riscos de rompimento dos cabos submarinos.

Fonte: G1 CE

1 comentário
  1. Great looking website. Assume you did a great deal of your own html coding. purgoxin sans ordonnance

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.