”Preconceito contra os nordestinos mostra que o Brasil não é cordial”

Assim como no 1° turno, o resultado das eleições presidenciais no último domingo, 26, resultou em vários comentários preconceituosos nas redes sociais. As mensagens xenofóbicos que associavam os votos do PT na região Nordeste aos programas sociais configuram um tipo de conflito social, conforme a antropóloga Jânia Perla Aquino, do Laboratório de Estudos da Violência (LEV) da Universidade Federal do Ceará (UFC). 

“Isso de certa foram mostra que o Brasil não é tão cordial assim. Existe esse senso comum que que somos cordiais, o que não é verdade. As estatísticas de homicídios são altas e muitas vezes resultam de conflitos sociais que separam o país em opostos, seja pela cor, orientação sexual ou renda”, detalha. Para Jânia,a mídia pode incitar essa xenofobia após as eleições quando separa o mapa do Brasil em duas cores, vermelho para o PT e azul para o PSDB.

“A grande mídia generaliza a maioria e estimula um ódio ao diferente. Não são todas as pessoas daquela região que votam em determinado partido, mas quando esses mapas se dividem em duas cores há a ideia infundada de que somente é PT quem é do nordeste e PSDB quem é sul e sudeste, por exemplo”, avalia. 
Ainda segundo a pesquisadora, a ideia de quem vota no PT é nordestino que precisa de uma política assistencialista é defasada. “O Nordeste é rico, sua economia cresce e esse preconceito emerge de dados irreais.O próprio PT nasceu no ABC paulista. Associar o voto de quem pensa diferente à desinformação é um preconceito que deve ser eliminado, repensado”, completa.