Serial killer que usava aplicativo de relacionamento para achar vítimas é condenado a 160 anos de prisão

A Justiça de Nova Jersey, nos Estados Unidos, condenou a 160 anos de prisão na última terça-feira, 6, um homem de 25 anos suspeito de usar aplicativos de relacionamento para atrair e matar mulheres estranguladas. Classificado como “serial killer” por analistas forenses, Khalil Wheeler-Weaver teria matado três mulheres e tentado assassinar uma quarta em encontros no norte do estado norte-americano entre setembro e dezembro de 2016. Ele foi descoberto quando a amiga de uma das vítimas se passou por “isca” com ajuda da polícia e marcou um encontro com ele. “O acusado acreditava que as vítimas eram descartáveis. Elas eram mortas e ele seguia com o dia dele como se nada tivesse acontecido, mas a vida de cada uma dessas mulheres importa”, afirmou o promotor-assistente do caso, Adam Wells, perante o júri. Segundo ele, o suspeito cometia os crimes com semanas de diferença, o que fazia com que ele tivesse tempo de contemplar as suas ações antes de cometer outro assassinato.

Familiares das vítimas e a mulher que sobreviveu ao ataque de Khalil também falaram diante do júri. Tiffany Taylor, que conseguiu fugir do criminoso, deu detalhes do ataque e falou como o crime mudou a vida dela. “Eu não uso mais maquiagem, não tenho amigos e estou sempre paranóica. Mesmo assim, estou feliz de estar aqui”, afirmou. Ela pediu que o juíz não demonstrasse qualquer remorso, já que o suspeito não parecia culpado pelos assassinatos cometidos. Ao se dirigir ao juiz, identificado pela imprensa internacional apenas como “Mark S.”, Kalil afirmou que era inocente e foi vítima de uma armação. A mãe, tia e irmão do suspeito estavam presentes no local, mas não falaram com a Justiça.

A primeira vítima de Wheeler foi uma jovem de 19 anos da Filadélfia, que foi vista por testemunhas entrando no carro do acusado no dia 31 de agosto de 2016 e foi morta poucas horas depois, tendo o corpo abandonado em uma casa próxima à casa do suspeito e incendiado em seguida. O corpo dela demorou duas semanas para ser identificado. Cerca de um mês depois, a segunda vítima do suspeito foi uma mulher de 33 anos que também teve o corpo abandonado em uma casa e encontrado após seis semanas. A terceira vítima desapareceu no dia de Ação de Graças de 2016, no mês de novembro. Todas tinham marcas de estrangulamento feitas pelas próprias roupas.

Jovem Pan

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.