Vacinação de jogadores da Copa América não será obrigatória, anuncia Ministério da Saúde

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou na noite desta segunda-feira (7) que a vacinação dos jogadores da Copa América não será obrigatória. A decisão representa uma mudança de postura do Governo Federal, que havia dito que atletas e comitivas seguiriam os protocolos sanitários e receberiam a imunização.

De acordo com o coordenador operacional da competição, André Pedrinelli, as equipes farão exames RT-PCR a cada 48 horas para saber se estão ou não com a Covid-19.

Tanto os atletas quanto as comissões técnicas deverão cumprir isolamento social nos hotéis das cidades-sede da competição. Serão liberadas saídas apenas para treinos, jogos ou questão de saúde.

A Copa América será realizada no Brasil, depois das desistências de Colômbia e Argentina por causa da pandemia de Covid-19.

O evento começará no próximo domingo (13) e terminará no dia 10 de julho. Brasília, Cuiabá, Goiânia e Rio de Janeiro sediarão as partidas.

DECISÃO

Inicialmente, relatou Marcelo Queiroga, a realização do RT-PCR estava prevista para ser feita a cada três dias e, entre um exame e outro, seria realizado um teste rápido nas equipes.

“É um controle muito seguro. Nenhum desses exames será realizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS), pois os atletas têm seguro de saúde. Se houver a necessidade de internação por Covid-19 ou outra doença, eles estão devidamente segurados e utilizarão a rede hospitalar privada“, explicou.

‘NÃO É UM CAMPEONATO DE GRANDE DIMENSÃO’

Marcelo Queiroga afirmou que a Copa América “não é um campeonato de grande dimensão” e que “partindo do pressuposto que a prática de atividades esportivas competitivas está acontecendo normalmente no nosso país, inclusive o campeonato das divisões do futebol brasileiro, Taça Libertadores da América, Sul-Americana, Eliminatórias da Copa do Mundo, (…) não há nenhum óbice [impedimento] legal ou sanitário”.

O titular da pasta também disse que a vacinação dos atletas agora não garantiria a imunização deles até o início do torneio.

REAÇÃO PODERIA ‘COMPROMETER O RITMO COMPETITIVO DOS JOGADORES’

“Então, como essas competições têm acontecido sem a exigência da vacinação – até porque no ano passado não existia a vacina, e o campeonato aconteceu sem maiores problemas.

Não é uma imposição a questão da vacina. Os que estiverem vacinados, melhor. Mas não se fará um esforço maior para vacinar esses atletas agora, até porque a vacina poderia causar algum tipo de reação e isso poderia de alguma forma comprometer o ritmo competitivo dos jogadores”, considerou Marcelo Queiroga.

CONTROLE E MONITORAMENTO

O ministro da Saúde ressaltou que todos os jogos da Copa América acontecerão sem a presença do público nos estádios.

“Ou seja, é um ambiente sanitário controlado e monitorado pelas autoridades sanitárias pelos estados e municípios onde acontecerá essa competição”, salientou.

Fonte: Diário do Nordeste

Deixe uma resposta