Brasil sofre maior derrota da sua história e vê Alemanha chegar à final!

Um dia 13 de julho de 64 anos atrás faria o Brasil chorar seu drama maior, o Maracanazo. Pois este 8 de julho de 2014 faz ele jorrar lágrimas para a maior das suas humilhações. De joelhos! A derrota mais vexatória do país celebrado mundialmente por ser o do futebol. O estádio do Mineirão viu o triste capítulo de 50 ficar esmaecido, ao menos por ora, na história. Vai ser difícil lembrar daquele 2 a 1 para o Uruguai diante do que fez a Alemanha nesta semifinal. Uma tortura incomparável para os apaixonados pela equipe canarinho. 
Depois de muito mistério na véspera, Felipão surpreendeu e escalou Bernard na vaga de Neymar. O menino com alegria nas pernas, na definição do próprio treinador, entrou para atuar pela direita, com Hulk na esquerda e Fred pelo meio. A ideia de ter um meio de campo mais fortalecido, com Paulinho ao lado de Luiz Gustavo e Fernandinho, tentando assim neutralizar o setor mais criativo dos alemães, foi abortada em nome de tentar abafar a saída de bola rival. No início até parecia que a tática poderia dar resultado e o jogo seria disputado, com cara de uma semifinal entre as duas potências. Que nada. Bastou uma jogada de bola parada, arma letal dos europeus, para a filosofia derreter-se. Em um lance de perdição total da defesa aos 10 minutos, Daviz Luiz deixou Thomas Müller livre para fazer seu quinto gol neste Mundial. 
A partir daí a Seleção sofreu um colapso inédito em seus mais de cem anos de história. A Alemanha fez seu toque de bola parecer fácil, ludibriando a marcação brasileira. No imaginário coletivo mundial os tedescos jogaram como Brasil, com técnica apurada. Na zaga, Dante, que tanto foi celebrado como conhecedor das virtudes e defeitos do adversário por jogar no Bayern de Munique, foi presa fácil, assim como todo o sistema defensivo. Aos 22, Klose fez seu 16º em Mundiais e isolou-se como goleador máximo nessas 20 edições de Copa. E uma espécie de Carrossel em vermelho e preto passou a desfilar, com um gol atrás do outro. 
No segundo tempo, Felipão fez o que muitos esperavam que fizesse no início. Povoou o meio, com Paulinho e Ramires, na tentativa de ao menos reduzir o vexame. Não houve trégua. Além de dois gols de Schürrle, que entrou no lugar de Klose, teve a eficiência do goleiro Neuer, que evitou que o Brasil descontasse com duas defesas imponentes. 

A Alemanha vai para a decisão após esbarrar duas vezes na sequência nas semifinais e tentará, no domingo, dar a uma exuberante geração uma glória que ainda não veio. Espera pelo seu adversário, que pode ser a Argentina pela terceira vez ou a Holanda pela segunda. Já o Brasil tenta recolher os infindáveis cacos para defender seu orgulho no sábado, no Mané Garrincha, em Brasília, na disputa de terceiro e quarto. 

Com informações do O Povo