Após derrota, governo Temer retalia traidor e avalia ultimato ao PSDB

Um dia depois da derrota do governo na Comissão de Assuntos Sociais(CAS) do Senado, os governistas que votaram contra a reforma trabalhista já começam a sentir a pressão. De um lado, o peemedebista Hélio José (DF) teve dois de seus indicados exonerados. No caso do tucano Eduardo Amorim (SE), o voto contra se refletiu em tensão acirrada entre PSDB e Planalto. A votação escancarou a insatisfação dentro do PMDB e a fragilidade da relação com os tucanos.

Secretário-geral da Presidência, Moreira Franco pressiona tucanos sobre apoio ao governo Temer
Secretário-geral da Presidência, Moreira Franco pressiona tucanos sobre apoio ao governo Temer

“Acho que o governo está para o que der e vier. Eles enlouqueceram. Pegar um senador da República e retaliar com duas indicaçõezinhas não é justo. Não é um governo correto”, protestou o senador Hélio José, que usou a tribuna para criticar o governo. Ele admitiu ter sido influenciado pelo líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), que tem se posicionado repetidamente contra as reformas trabalhista e da Previdência.

Hélio disse ainda que se sentiu ameaçado pelo líder do governo no Senado, Romero Jucá. “Não dá para ser coagido, chantageado, por causa de posto no governo”, completou. Ele chamou o governo de “podre” e sugeriu que deveria renunciar.

O clima também pesou entre líderes peemedebistas e tucanos por causa do voto de Amorim. O parlamentar sergipano faz parte da ala do PSDB que quer o desembarque do governo. O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, reagiu à traição do partido da base.“O PSDB diz que tem dúvidas em relação ao governo, mas que está absolutamente compromissado com as reformas. Não foi esse o comportamento político que vimos”, disse na terça o ministro.

Representando outros peemedebistas, ele defendeu ainda que a saída do PSDB pode ser benéfica porque abriria cargos para outros partidos e formaria uma base mais sólida. Moreira Franco minimizou a importância dos tucanos para base. Mas o presidente Michel Temer e o ministro Antônio Imbassahy estariam tentando manter a aliança.

Em resposta, o presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), culpou a falta de articulação. Ele criticou Temer por ter levado em viagem a Rússia o líder Paulo Bauer (PSDB-SC) e Imbassahy, do PSDB. Ambos tinham poder de negociação, mas estavam ausentes. “Poderiam resolver o problema do PMDB também né? O Otto também votou contra porque o senador Petecão se ausentou e ele votou no lugar. Quem fez isso? Deve ter sido um fantasma”, disse. (com Agência Estado)

Jonas Deison

Somos um portal de notícias focado na cidade de Sobral, Ceará. Prezamos sempre pela notícia verdadeira e sem conteúdo apelativo. Contato: (88) 99222-3363 | (88) 99632-4226 Administrador: Jonas Deison

Deixe uma resposta