Ceará é o 1º do Nordeste na oferta de alimentos não adquiridos em “cantinas” para estudantes

Em 2019, 74,9% dos alunos cearenses, entre 13 e 17 anos, frequentavam escolas (pública e privada) que ofereciam comida ou merenda, não contemplando os alimentos adquiridos em cantinas, levando o Estado a ser destaque no Nordeste, ocupando o primeiro lugar, e o 13º do Brasil. O desempenho cearense, inclusive, superou o da nordestina, de 71,1%.

Os dados – e muitos outros – estão no Ipece/Informe (Inº 202 – janeiro/2022) – Alimentação de escolares no contexto pré-pandemia da Covid-19: uma análise dos dados da PeNSE do IBGE de 2019, que acaba de ser lançado pela Diretoria de Estudos Sociais (Disoc) do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece).

Naquele ano, 84,9% da rede pública cearense ofereciam comida ou merenda escolar, contra 80,2% do Nordeste e 85,2% do Brasil, enquanto na rede privada do Estado o índice atingiu 9,8%, contra 10,1% do Nordeste e 16,2% do País. Também em 2019, 100% dos alunos das redes pública e privada do Ceará estavam em escolas que informaram que ofereciam refeição para eles, no turno da manhã, índice superior ao do Nordeste e do Brasil, respectivamente de 97,5% e 98,4%. O índice geral cearense (100%) bateu o desempenho nordestino, de 97,5% para a pública e de 99,9% para a privada, bem como da brasileira, de 98,6% e 95,2%, respectivamente.

No Ceará, 99,2% dos alunos, de 13 a 17 anos, estavam em escolas públicas que informaram adotar legislação, política ou regra escrita própria sobre alimentos oferecidos e/ou comercializados em suas dependências, por unidade administrativa da escola, em 2019, taxa maior que a nacional (96,7%) e a da encontrada na Região Nordeste (95,8%), informa Raquel da Silva Sales, autora do trabalho e membro da Câmara Intersetorial de Segurança Alimentar e Nutricional (Caisan/Ceará). “Sabemos da importância de adotar legislação, política ou regra escrita própria sobre alimentos oferecidos e/ou comercializados nas escolas. Portanto, nas escolas públicas do país a alimentação para a educação infantil conta com algumas diretrizes e protocolos. Alguns dos princípios normativos estão assegurados por lei”, observa.

Segundo o estudo, no comparativo entre os estados, o Ceará (99,2%) foi o décimo segundo maior do Brasil e o terceiro do Nordeste em percentual de alunos, de 13 a 17 anos, que estavam em escolas públicas e que informaram adotar legislação, política ou regra escrita própria sobre alimentos oferecidos e/ou comercializados em suas dependências.

No Ceará, 100% dos estudantes da rede pública estavam em escolas que informaram oferecer refeição para os alunos, taxa maior que a da região (99,7%) e a brasileira (99,4%). Raquel Sales afirma que o aproveitamento escolar e a melhoria da condição de saúde dos alunos dependem, em parte, da qualidade da alimentação oferecida nas escolas.

Fonte : Governo do Ceará 

4 Comentários
  1. You’re an extremely valuable site; could not make it without ya! valpakine en línea sin necesidad de receta en Buenos Aires

  2. Hello! I’ve been following your web site for some time now and finally got
    the bravery to go ahead and give you a shout out from Kingwood Texas!
    Just wanted to tell you keep up the good job!

  3. acheter pollenase en Espagne en toute simplicitй Compra beclomethasone de la marca Mylan

  4. Rodrigo Silva Diz

    Que legal…!!
    Esta foi uma visita excelente, gostei muito, voltarei assim
    que puder… Boa sorte..!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.