Entenda por que a conta de energia deve ficar mais cara em 2021

A crise em decorrência da pandemia de Covid-19 levou muitos setores a acumular saldo negativo no último ano, incluindo o de energia. A consequência deve ser o aumento da cobrança ao consumidor em 2021. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) já adiantou, no último dia 10 de fevereiro, que a conta de luz dos brasileiros deve subir, em média, 13% este ano.

O Sindicato das Indústrias de Energia e de Serviços do Setor Elétrico do Estado do Ceará (Sindienergia-CE) explica os fatores que devem levar impacto ao bolso do consumidor.O principal deles é a crise sanitária, que gerou uma reação em cadeia.

Custos mais altos

A pandemia fez com que a demanda de energia residencial aumentasse, por conta da maior permanência das pessoas em suas casas, ressalta o presidente do Sindienergia-CE, Luís Carlos Queiroz.

“Além da questão de que as concessionárias tiveram que evitar o corte dos clientes inadimplentes durante a pandemia, o que exigiu muito do fluxo de caixa dessas empresas e, mesmo com o programa de apoio do Governo, isso afetou em algumas operações, fazendo com que o custo dessa operação elevasse e tivesse que, em algum momento, chegar à ponta final da cadeia, ao consumidor de energia. Por isso que nós veremos nos próximos meses e talvez até nos próximos anos um aumento de conta de energia considerável”, explica.

Em março do ano passado, a Aneel anunciou a suspensão de cobranças extras durante todo o ano, devido à pandemia. No entanto, em dezembro, a decisão foi revogada e a agência decidiu aplicar a bandeira vermelha patamar 2, justificando os baixos níveis dos reservatórios.

Inadimplência maior

Apesar dos custos “segurados” pelas concessionárias naquele período, não repassados ao consumidor, com a queda da renda familiar de boa parte da população e, em contrapartida, o aumento do consumo de energia, já que muitos tiveram de passar mais tempo em casa, a situação levou à inadimplência.

No Ceará, o consumo de energia elétrica residencial aumentou 7,34% em 2020, comparado ao ano anterior, segundo a Empresa de Pesquisa Energética (Epe).

“Soma-se a isso, a diminuição da rotina industrial e consequente queda no consumo de energia por parte desse setor. Então, esses múltiplos prejuízos amargados pelas concessionárias no ano passado precisariam ser compensados de alguma forma nesse ano para a recuperação da saúde financeira dessas empresas. Diante dessa situação, inevitavelmente, o consumidor deverá sentir esse impacto”, completa o presidente Queiroz.

Deixe uma resposta