Haddad promete aprimorar relações com Mercosul e Brics

Em entrevista à imprensa em São Paulo, candidato do PT à Presidência diz que respeitará resultado das urnas e pede para eleitores denunciarem fake news.

O candidato do PT à presidência da República, Fernando Haddad, afirmou nesta quarta-feira (3) que, se eleito, irá aprimorar o comércio e as relações exteriores do Brasil, “estreitando laços” com México e Argentina que, segundo o candidato, poderão ajudar o país a criar mais empregos.

Em entrevista à imprensa na manhã desta quarta, em São Paulo, Haddad atacou a atual política externa do governo Michel Temer e disse que, se eleito, irá aprofundar as relações com os países integrantes dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), com o Mercosul e com a União Europeia.

Candidato do PT, Fernando Haddad, faz campanha em São Paulo
Jornal Nacional
Candidato do PT, Fernando Haddad, fez campanha em São Paulo

Candidato do PT, Fernando Haddad, fez campanha em São Paulo

“O Brasil está encolhido, esta acanhado em política externa. Primeira coisa que temos que considerar: os Brics são mercados muito importantes para o Brasil e nós temos que aprofundar os acordos bilaterais e multilaterais com estes parceirinhos para geração de empregos”, disse Haddad.

Quanto à integração do Mercosul, Haddad defendeu que “não dá para manter o ritmo atual”. “Vamos ter que aprofundar [a integração]. Eu tenho mantido contato com autoridades da Argentina para buscar uma aproximação, porque o Brasil pode ser solução para a Argentina e a Argentina pode ser a solução para o Brasil, com mais integração e comércio”, salientou.

Previdência pública

O candidato também afirmou que irá convocar estados e municípios para repactuar a previdência pública dos regimes próprios dos servidores, buscando formas de conseguir “uma forma de sustentação destes regimes”.

“Nós estamos muito preocupados com a previdência dos estados e municípios. Muitos governos não estão conseguindo pagar a folha, em razão da grave crise que o país enfrenta. Nós teremos que contar com governadores e prefeitos para repactuar o que chamamos de previdência dos regimes próprios. Nossa prioridade será repactuar a previdência pública, sentar com os trabalhadores e repactuar os termos de garantia de sustentação da previdência pública”, disse ele.

Fake News

Haddad creditou o aumento da sua rejeição nas pesquisas a uma campanha de fake news que está sendo conduzida, segundo ele, pelo principal concorrente ao Palácio do Planalto pelo WhatsApp. Ele pediu aos eleitores que denunciem notícias falsas.

“A estimativa é que milhões de mensagens foram disparadas com conteúdos ofensivos. Um portal ou outro já publicou como fake news, mas são imagens muito vulgares de mulheres nuas e crianças sendo abusadas. Estamos pedindo que as pessoas encaminhem as denúncias do Bolsonaro à nossa campanha porque queremos identificar o emissor”, disse Haddad. O número de telefone aberto pela campanha para denúncias é 11 9-93223275.

Mais cedo nesta quarta, em entrevista à Rádio Jornal, de Pernambuco, Haddad já tinha afirmado que a campanha de Bolsonaro está fazendo uma “baixaria” no Whatsapp com “mensagens mentirosas” contra a campanha do PT.

Fernando Haddad disse, ainda, que respeitará resultado das urnas. “Nós, a vida inteira aceitamos o resultado de toda eleição. Nós nunca colocamos em dúvida o resultado eleitoral”, defendeu.

Deixe uma resposta