Queiroz recebeu R$ 2 milhões em 483 depósitos de assessores ligados a Flávio Bolsonaro, diz MP

O ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz recebeu mais de R$ 2 milhões em 483 depósitos feitos por 13 assessores ligados ao hoje senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ), na época deputado estadual, segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ). A defesa nega as acusações.

As informações, obtidas por meio da quebra de sigilo bancário, constam na decisão do juiz Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal do Rio, que deu origem a uma operação deflagrada nesta quarta-feira (18). O MP cumpriu 24 mandados de busca e apreensão na investigação sobre um esquema de “rachadinha” na Assembleia Legislativa do RJ (Alerj).

São investigados Queiroz, outros ex-assessores de Flávio Bolsonaro e nove parentes de Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro, que foram empregados no gabinete de Flávio.

Organização formada em 2007

Segundo o MP, diante das investigações de transações imobiliárias e dados de instituições financeiras, existem provas sobre a prática de crimes de peculato, que é desvio de dinheiro público, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Os promotores afirmam que a organização criminosa foi formada em 2007 por dezenas de servidores da Alerj.

O MP afirma ainda que dados confirmam que Fabrício Queiroz arrecadou grande parte da remuneração de “funcionários fantasmas” do então deputado estadual Flávio Bolsonaro.

Foram identificados pelo menos 13 assessores que repassavam parte do salário à Queiroz. Ele recebeu 483 depósitos na conta bancária, que somados atingem R$ 2.062.360,52.

Seis grupos e quatro núcleos

O documento divide os suspeitos de terem maior relevância nesta organização em seis grupos:

— O primeiro é formado por Queiroz, sua mulher, Márcia Aguiar, as filhas dele e ex-assessores;

— O segundo é integrado por Adriano Nóbrega, o capitão Adriano, suspeito de pertencer ao grupo de milicianos conhecido como “escritório do crime”;

— O terceiro contém ex-assessores que sacavam os salários em espécie para repassar para organização;

— O quarto grupo é composto pelo sargento da PM Diego Ambrósio e sua empresa de vigilância;

— O quinto envolve Alexandre Santini, sócio de Flávio Bolsonaro na empresa Bolsotini Chocolates e Café;

— O sexto é composto por Glenn Dillard e sua consultora envolvida em lavagem de dinheiro mediante aquisição subfaturada de imóveis.

Segundo o MP, os seis grupos tinham quatro núcleos de atuação:

— O primeiro núcleo, o de Queiroz, tinha a função de nomear pessoas para ocupar cargos em comissão na Alerj ou mantê-los nos cargos em troca do repasse de parte dos vencimentos;

— O segundo, do capitão Adriano, era composto por operadores financeiros com a tarefa de recolher e distribuir os recursos públicos desviados do orçamento da Alerj;

— O terceiro eram pessoas que concordaram em ser nomeadas como assessores da Alerj sob o compromisso de repassar mensalmente parte do salário à organização criminosa;

Além do sargento Ambrósio e de Glenn Dillard, o quarto núcleo contava com a participação de Alexandre Santini, sócio de Flávio Bolsonaro, apontado como líder da organização. Este núcleo, segundo o MP, lavava parte dos recursos desviados da Alerj.

De acordo com os investigadores, quase R$ 3 milhões foram sacados da conta de Queiroz e que a “quantidade predominante de operações em ‘dinheiro vivo’ não ocorreu por mera coincidência, mas sim com a finalidade de ocultar a origem e o destino do dinheiro”. Segundo o MP, ainda não foi identificado de onde saíram mais de R$ 900 mil em depósitos.

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui