Ricardo Cavalcante assume presidência do Nordeste Forte, da CNI

O presidente da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), Ricardo Cavalcante, assume nesta segunda-feira, 22, a presidência da Associação Nordeste Forte para o biênio 2021-2022. A entidade, ligada à Confederação Nacional da Indústria (CNI), reúne representantes do setor industrial nos nove estados nordestinos em busca de soluções para fortalecer e acelerar o desenvolvimento econômico da Região.

A cerimônia será às 19 horas na sede da CNI, em Brasília. Em entrevista ao jornalista Clóvis Holanda, do O POVO, Ricardo Cavalcante antecipou que pretende fazer uma gestão participativa, onde a tônica será a construção coletiva de soluções para as questões determinantes no desenvolvimento industrial na região.

O mandato à frente da Associação é de dois anos. Na ocasião, também tomam posse Eduardo Prado, presidente da Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (Fies), como vice-presidente financeiro da Associação, e José Carlos Lyra, presidente da Federação das Indústrias do Estado de Alagoas (Fiea), como vice-presidente secretário da Associação.

Ricardo Cavalcante tem destacado que acelerar a questão da infraestrutura é essencial para trazer maior competitividade à Região.

“O meu papel na Associação Nordeste Forte será construir conjuntamente uma agenda de ações que possibilitem aproveitarmos o potencial criativo e inovador da região, buscando a identificação e a articulação das obras de infraestrutura necessárias à competitividade da indústria, das melhorias necessárias ao ambiente de negócios para impulsionar o desenvolvimento de diversos setores estratégicos, a exemplo das energias renováveis, e trabalhar os temas estratégicos e transversais da região NE, viabilizando grandes projetos que vão fazer a diferença na competitividade da indústria nordestina”, afirmou o presidente.

Criada em 29 de novembro de 2016, a Associação Nordeste Forte tem como objetivo promover ações de desenvolvimento socioeconômico na região Nordeste e assim melhorar a competitividade da indústria.

Deixe uma resposta